Archive for November 25th, 2007

Também fui vitimado pela greve dos roteiristas em Hollywood, e na mais absoluta falta do que assistir para suprir minha carência de seriados, fui parar numa comédiazinha romântica que é possivelmente um dos filmes mais toscos que eu assisti em 2007 (Ultravioleta não conta, aquilo não é cinema). O filme é esse no título do post, e não sei se tem tradução em português, ou sequer se foi/vai ser lançado por aqui.

Não importa, o filme é muito ruim e vocês não querem vê-lo.

Metade do elenco de The Office faz uma ponta, já que o protagonista é o John Krasinski – Jim. Jim continua no papel de The Office, com a diferença de uma clara evolução no objeto de afeição. Não que eu não ache a Pam gatinha, mas aqui o lance é com a Mandy Moore. Ruiva. E não, a Pam não aparece.

O filme é todo trampolim pro Robin Williams viver um padre quixotesco que sabe a receita para um casamento feliz. Precisa tomar um socão na cara (melhor momento do filme) pras coisas começarem a acontecer e o filme poder acabar logo.

Entre as peripécias do padre Williams consta um passeio de carro com a noiva vendada e o noivo dirigindo-a. Ele também instalou uma escuta no quarto do casal. E claro, ele tem um sidekick: um moleque gordinho supostamente “engraçadinho”. Não sei se é só uma repetição inconsciente dos males dos nossos tempos, mas hoje em dia eu não consigo assistir a um padre e uma criança num filme sem pensar no subtexto pedófilo.

Aliás, se o filme tem um grande mérito, é justamente deixar gritante alguns dos costumes mais idiotas que as religiões continuam propagando em pleno século XXI, como a capacidade de um “líder religioso” que faz voto de castidade em opinar sobre o relacionamento dos outros. Charlatanismo no nível de barraquinha de cigana lendo bola de cristal – cadê o Conselho de Psicologia pra intervir nessas horas?

Cotação:

Lixo