boraê

falar sobre quadrinhos, música e mais algumas coisas

Cartola e Dona Zica, no pé do morro da Mangueira, em 1975

December 1, 2013 // by chico

dona Zica e Cartola, no morro da Mangueira, em 1975. Foto tirada por Antonio Carlos Miguel. Retirada daqui: http://g1.globo.com/musica/antonio-carlos-miguel/platb/2013/11/02/dentro-da-periferia/

dona Zica e Cartola, no morro da Mangueira, em 1975. Foto tirada por Antonio Carlos Miguel. Retirada daqui: http://g1.globo.com/musica/antonio-carlos-miguel/platb/2013/11/02/dentro-da-periferia/

A Foto sensacional foi retirada daqui. Não pedi permissão ao autor, mas dei os créditos. Aqui e aqui tem dois textos meus baseados na biografia do sambista da Mangueira.

Cartas de rejeição da Marvel pro Jim Lee

November 23, 2013 // by chico

Eu sigo alguns tumblrs sobre quadrinhos que volta e meia aparecem com algumas novidades e desencavam coisas bem bacanas que nós, os leitores, não vemos muito no nosso dia a dia. Dia desses o tumblr (que nego chama de tâmblr, mas eu falo tUmblr mesmo) The Marvel Age of Comics publicou uma carta de admissão do Jim Lee à editora do Homem-Aranha e três cartas de rejeição, com dicas para ele melhorar o trabalho. Bem bacana.

A história, como vocês devem saber, tem um final feliz. Aqui um pouco da história da admissão do Jim Lee no mundo dos quadrinhos. Segue uma carta de admissão do Jim Lee para a Marvel:
Jim Lee 01

“Dear Mr Potts,

Enclosed are the six pencilled pages and the layouts for the story “Double Vision.” I followed my original layouts (with your revisions (no pun intended) for the most part. I also re-read the section on the continuity in the “Five C’s” and corrected some of my earlier oversights (action flow, etc).

On page three, I removed the first panel because it crosse the “action axis” I had established, and because it slowed down the pace in an inappropiate spot in the plot (one of great urgency). Instead, I changed the layout to focus more on the panel in which the Vision disrupts two terrorists because of the action’s dramatic quality. Futhermore, I used the elongated size of the panel to show the characters in relationship to one another spatially. I also added another thin panel (number three) to show clearly how the Vision dispatches the head terrorist.

On page four, I added one panel (number two) which I felt heightened the tension of the head terrorist’s subsequent actions and showed the Vision’s detachment from the old woman’s plight: the Vision is definitely more concerned with subduing the terrorists.

On page five, panel one, I raised “the camera” because my original layout overlooked the fact that most of the seats on the plane were filled with passengers! Anyway, the new angle helps to place the new relative positions of all the characters and the grenade blast.

All other changes were made to correct action flow inconsistencies. Overall, I spent one day per page, spending one additional day doing re-reading and research for the story. I hope they are satisfactory; if there are any problems or if anything has to be re-drawn, I’d be more than happy to do it. I look forward to your reactions and criticisms. I found this assignment challenging and have learned a lot doing it. Take care and happy holidays.

Sincerely,
Jim Lee”

Em português (traduzido rapidamente e com alguma revisão rápida):

“Caro Sr. Potts,

Em anexo estão os seis páginas à lápis e os layouts para a história “Double Vision”. Para a maior parte, segui meus layouts originais (com suas revisões (sem trocadilhos)). Eu também refiz a seção sobre a continuidade nos “Cinco Cs” e corrigi alguns dos meus descuidos anteriores (fluxo de ação, etc).

Na página três, eu removi o primeiro painel, pois cruzou os “eixos de ação” que eu havia estabelecido anteriormente porque isso abrandou o ritmo em um local inapropriado na trama (um de grande urgência). Em vez disso, mudei o layout para se concentrar mais no painel em que o Visão pega dois terroristas por causa da qualidade dramática da ação. Além disso, eu usei o grande tamanho do painel para mostrar espacialmente a relação de um personagem com outro. Eu também adicionei um outro painel fino (número três) para mostrar claramente como a Visão despacha o terrorista principal.

Na página quatro, eu adicionei um painel (número dois) que eu senti que aumentava a tensão das ações subseqüentes do terrorista líder e mostrou desprendimento da visão do sofrimento da velha senhora: o Visão está definitivamente mais preocupado em subjugar os terroristas.

Na página cinco, painel um, eu levantei “a câmera”, porque o meu layout original ignorou o fato de que a maioria dos lugares no avião estavam cheios de passageiros! De qualquer forma, o novo ângulo ajudou a colocar as novas posições de todos os personagens e a explosão das granadas.

Todas as outras alterações foram feitas para corrigir inconsistências de fluxo de ação. No geral, eu demorei um dia por página, gastando um dia adicional para fazer re-leitura e pesquisa para a história. Espero que eles estejam satisfatórios; se houver algum problema ou se alguma coisa tiver que ser re-desenhada, eu ficaria mais do que feliz em refazer. Estou ansioso para suas reações e críticas. Eu achei esta tarefa desafiadora e aprendi muito fazendo isso. Se cuide e boas festas.

Atenciosamente,
Jim Lee.”

Agora seguem algumas das negações dos editores:
Jim Lee 04

“Dear Mr. Lee,

Your sense of design and storytelling abilities are quite good. However, your figures tend to be stiff, and unrealistic. This is not helpe on the two pages where you have inked over your pencils. I suggest that you draw from live models, esp. for faces, hands, and proportions, and that you learn how to place figures in perspective. Also study how cloth folds and wrinkles, how metal reflects, how leather shines, etc., and then learn to translate that into your pencils. You have a lot of work ahead of you before you are ready to pencil for a company such as Marvel, but when you see some improvement, you are welcome to resubmit.

Best of luck,
Howard A. Mackie
Submissions Editor”

“Caro Sr. Lee,

Seu senso de design e sua habilidade de contar histórias são muito bons. No entanto, seus personagens tendem a ser duros e pouco realistas. Isto não ajuda nas duas páginas onde você arte-finalizou com o seu lápis. Eu sugiro que você desenhe a partir de modelos vivos, especialmente para rostos, mãos e proporções, e que você aprenda como colocar personagens em perspectiva. Também estude como panos dobram e enrugam, como metal reflete, como couro brilha, etc, e, em seguida, aprenda a traduzir isso em seus lápis. Você tem um monte de trabalho pela frente antes que você esteja pronto para desenhar para uma empresa como a Marvel. Mas quando você sentir alguma melhora, está convidado a reenviar (seu trabalho).

Boa sorte,
Howard A. Mackie
Editor de Submissões”

Jim Lee 03

“Hi there,

We looked your submission over carefully, just as we said we would, and we’re very sorry to tell you that your work doesn’ suit our particular standards. No one knows better than we do how much effort goes into a submission like yours, and we really appreciate your time, and most of all, your interest in the comics field.

We regret that we do not have the time to individually criticize the work submitted to us. We do know that to make progress you must work hard and be tough on yourself.

Best,
Howard Mackie
Submissions Editor”

“Olá,

Olhamos seu material com cuidado, assim como dissemos que faríamos, e sentimos muito lhe dizer que o seu trabalho não atende nossos padrões. Ninguém sabe melhor do que nós o esforço empregado em uma submissão como a sua, e nós realmente apreciamos o seu tempo, e, acima de tudo, o seu interesse na área de quadrinhos.

Lamentamos que não temos tempo para criticar individualmente o trabalho apresentado para nós. Nós sabemos que para progredir é preciso trabalhar duro e ser duro com você mesmo.

Atenciosamente,
Howard Mackie
Editor de Submissões”

Jim Lee 02

“Dear Mr. Lee,

Your work looks as if it were done by four different people. Your best pencils are on page 7, panel with agents (lower left corner), and close up of face. The rest of the pencils are of much weaker quality. the same can be said for your inking.

Resubmit when your work is consistent and when you have learned to draw hands.

Best,
Eliot R. Brown
Submssions Editor”

Em português:

“Caro Sr. Lee,

Seu trabalho parece como se tivesse sido feito por quatro pessoas diferentes. Seus melhores lápis estão na página 7, no painel com agentes (canto inferior esquerdo), e nos closes do roto. O restante dos lápis tem qualidade muito inferior. O mesmo pode ser dito para a sua arte-finalização.

Atenciosamente,
Eliot R. Brown
Editor de Submissões”

E, finalmente, uma carta de admissão:
Jim Lee 05

“Hello Jim,

Enclosed are your Alpha layouts with my notes for changes on them. Also enclosed is a shot of Omega Flight. In flashback scenes, use the original visuals the characters in questions appeared in as your guide. Cody, thought, should look as he does in his more recent appearances.

The book is due on Monday, Jan 26th, so you should Federal Express it on Saturday, Jan. 24th. Give a call if you run into any trouble.

Give Purple Girl a black leather jacket for any outdoor scenes.

That’s it! Work hard!

* I might be able to squeeze a bitmore time out of (Bill) Mantlo script time for you but I have to know soon if that’s the case. I don’t want to get a call out (?) the 23 saying you need more time at that late date!”

Em português:

“Olá Jim,

Envio seus layouts do Alpha com minhas anotações para as mudanças necessárias. Também envio uma parte de Omega Flight. Nas cenas de flashback, use o visual dos personagens originais conforme aparecem em seu guia. Cody, porém, deve ter um visual mais recente, como ele vem aparecendo.

O livro será publicado na segunda-feira 26 de janeiro, então você deve enviar pela Federal Express até sábado, 24 de janeiro. Me ligue se tiver qualquer problema.

Dê a Purple Girl uma jaqueta de couro preto para todas as cenas ao ar livre.

É isso aí! Trabalhe duro!

* Eu poderia ser capaz de conseguir um pouco mais de tempo de (Bill) Mantlo, mas tenho que saber logo se é esse o caso. Eu não quero receber uma ligação no dia 23 dizendo que você precisa de mais tempo!”

A cara se referia a essa edição de Omega Flight. Segundo essa biografia, o Jim Lee estudava psicologia quando resolveu se envolver com desenhos em quadrinhos. Ele chegou a se formar, mas decidiu seguir pelo caminho da nona arte. Eu ouvi falar que ele era entregador de pizza nos EUA quando foi aceito para trabalhar na Marvel.

PS: Aparentemente era por aqui que ele morava na época que foi contratado.

**
Além das coisas bacanas do The Marvel Age of Comics, outro tumblr bem bacana é o do Brian Michael Bendis, que volta e meia responde as perguntas dos leitores e volta e meia reblogueia coisas legais da internet afora. Pode ver algumas coisas aqui, aqui, aqui, aqui e aqui.

Palestra de Andrew Jennings sobre a Fifa

November 17, 2013 // by chico

No final de outubro assisti uma palestra do jornalista escocês Andrew Jennings no Sindicato dos Jornalistas do Rio de Janeiro, no centro da cidade, sobre o modus operandi quase mafioso da Fifa. Jennings escreveu o livro Jogo Sujo, onde destrincha um pouco os negócios escusos da federação de futebol, CBF e afins. Ele estava na cidade para a 8a Conferência Global de Jornalismo Investigativo.

Cheguei atrasado e não assisti tudo. Perdi a participação de Carlos Vainer, professor titular do Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano e Regional/UFRJ (que falou sobre como as grandes corporações se instalam nos territórios através dos grandes eventos esportivos) e Gustavo Mehl, militante do Comitê Popular da Copa e Olimpíadas (falou sobre a campanha contra a privatização do Maracanã e como a Copa do Mundo descaracterizará a torcida brasileira). Um dos pontos bacanas do debate foi quando perceberam dois funcionários da Fifa entre os ouvintes. Eles foram reconhecidos pelo próprio Andrew Jennings e, no final, rebateram algumas das acusações do jornalistas e deram a própria versão sobre o funcionamento da Fifa.

Segue o debate na íntegra, para quem quiser conferir:

Seguem algumas das coisas que rolaram na participação do Andrew Jennings que ainda me lembro.

Ele falou de como a Fifa é uma empresa privada, como se hierarquiza internamente – cerca de 50% dos funcionários sabem o que rola lá dentro e os outros 50% ignoram “as coisas erradas do lugar e só seguem com a própria vida e criam os próprios filhos” – e como alguns vão galgando as posições até chegarem ao topo do ranking da corporação. Falou sobre politicagem interna e a diretoria, composta pelos presidentes das 209 associadas, como a CBF, que mandam e desmandam em tudo.

Acima dessa diretoria está o presidente. Andrew Jennings falou como algumas das reportagens que ele fez ajudou a derrubar o Ricardo Teixeira (cliquem no Ricardo e no Teixeira para perceberem a diferença entre os artigos da Wikipedia em inglês e português), que era o mais provável substituto do Blatter. Ele falou que o nome de Teixeira não era unânime na cúpula. Acho que o Jennings deu a entender que as falcatruas do Teixeira foi soprada para ele por um dos desafetos do ex-dirigente da CBF.

O jornalista falou da vida de luxo de Blatter, que ganha, dentre outras coisas, um “ajuda de custo” de 500 euros por cada dia que passa fora da Suíça, onde fica a sede da Fifa, viajando. Essa ajuda de custo é quase um salário extra, porque Blatter viaja constantemente como forma de manter esse rendimento extra. São cerca 15 mil euros ou R$ 45 mil extras por mês. Ele falou de como a Fifa impõe uma série de investimentos aos países escolhidos para sediar uma Copa do Mundo. Investimentos pagos com o dinheiro do contribuinte daquela nação. Do ponto de vista exposto por Jennings, o modus operandi da Fifa é quase como uma Máfia, forçando governos públicos a realizarem investimentos que serão revertidos eventualmente para o lucro de uma empresa privada. Pelo que entendi, durante a palestra ele só sobrevoou alguns dos temas que abordou no livro.

Ele comentou como a Fifa consegue ultrapassar a soberania de algumas nações, como é o caso da Lei da Copa, que revogou a proibição de álcool nos estádios brasileiros de futebol. O jornalista também comentou a escolha do Catar para sediara  Copa do Mundo de 2022, o que ele considerou um erro por conta do calor registrado no País durante o verão. Hoje, a Fifa já considera mudar o calendário do campeonato para o inverno. Ele não falou nada, ou não sabia, sobre as acusações de trabalho escravo nas obras do Catar. Jennings lembrou das remoções forçadas da população de baixa renda para as obras da Copa do Mundo, como aconteceu na África do Sul, e do risco de elitização dos espectadores do torneio. Eu ia perguntar a ele a questão dos preços dos ingressos, que são mais baratos daqueles praticados na África do Sul, mas na hora não consegui ou achei pertinente perguntar outras coisas.

A platéia era toda composta de jornalistas, estudantes ou “engajados”. Tinha gente com camisas do Comitê Popular da Copa do Mundo, um ex-colega de trabalho, gente com crianças e muito mais. Fiquei curioso para saber um pouco mais das tramóias da Fifa, mas também fiquei um pouco decepcionado. Pelo que Jennings falou, tudo lá rola em torno de dinheiro. Achei um pouco bobo. Fiquei curioso para saber se rolava alguma coisa a mais, se almejavam mais do que dinheiro e o que seria isso… mas comecei a viajar em forças ocultas e tudo mais e achei melhor ficar quieto. Só parece que esses caras da cúpula do futebol fazem um trabalho danado só para ganhar uma boa dinheirama. E nem é garantido conseguir essa renda toda no final. Se o negócio é só dinheiro, talvez fosse melhor se prestassem concurso para serviço público. Deve dar menos trabalho.

Andrew Jennings falou também do trabalho dele, de como é ajudado por alguns funcionários da própria Fifa preocupados com o futebol. Disse que uma dessas fontes, um fanático por futebol, não pensa em vir para o Brasil por conta dos altos preços dos hotéis e das passagens de avião, que atingirão patamares estratosféricos época da Copa. E o cara é um viciado em futebol. Tem tudo de futebol, conhece todas as estatísticas, vê os jogos mais obscuros e tudo mais. Essas fontes, além de municiar o escocês com informações internas, também divulgam alguns balanços e informações financeiras para ele.

No final, o jornalista conclamou o povo a ir protestar sem violência no pré-lançamento da Copa do Mundo, em São Paulo, há duas semanas do início oficial dos eventos. Ele disse e repetiu que não é para ninguém atuar com violência. Não é para revidar as agressões da polícia pois “a imprensa do mundo inteiro estará de olho no Brasil e ela poderá ver como é a atuação do Estado nessas manifestações“. Ele também conclamou um boicote pacífico aos patrocinadores da Copa do Mundo (o McDonald’s, o Itaú, etc).

Brasília - O jornalista da British Broadcasting Corporation (BBC) de Londres, Andrew Jennings, autor do livro, Jogo Sujo - O Mundo Secreto da Fifa, durante audiência pública na Comissão de Educação do Senado, sobre as revelações feitas no livro

Brasília – O jornalista da British Broadcasting Corporation (BBC) de Londres, Andrew Jennings, autor do livro, Jogo Sujo – O Mundo Secreto da Fifa, durante audiência pública na Comissão de Educação do Senado, sobre as revelações feitas no livro

Depois disso, os dois caras da Fifa que assistiam a palestra foram à frente e falaram um pouco. Disseram que estavam com pouco tempo (a palestra atrasou em meia hora), tinham pouco tempo para “mostrar o outro lado“. O trabalho deles consiste em viajar pelas cidades-sede no Brasil e falar um pouco sobre o que é o trabalho da Federação e o alcance das ações deles, para tentar acalmar os ânimos da população e reverter um pouco a imagem negativa que a Fifa possui.

Falaram que Jennings não pegou “todo o quadro” da Fifa, que a a Copa do Mundo estava custando cerca de US$ 2 bilhões (não lembro o valor certo) para a Fifa – ao que o Gustavo Mehl, do Comitê Popular da Copa gritou que era mentira, que  só o Maracanã havia custado R$ 1 bilhão.  Os membros da Federação, dois ingleses, frisaram “U$ 2 bilhões para a Fifa“. Desse total, US$ 1 bilhão e poucos serão investidos no futebol de base no Brasil e parece que os US$ 1 bilhão restantes serão gastos com o próprio pessoal da Fifa durante a Copa. Não lembro direito.

Respondendo uma pergunta da plateia, disseram a Fifa esperava lucrar (acho que) US$ 4,3 bilhões com a Copa do Mundo no Brasil, o mesmo lucro que obteve na África do Sul. Disseram que o lucro obtido com a Copa do Mundo no Brasil ia ser usado para financiar outras 20 Copas do Mundo futuramente. Eu não entendi essa matemática financeira deles. Falaram também que o dinheiro arrecadado é usado para financiar os times de base das 209 associadas da Fifa. E essa é uma questão a ser acompanhada de perto tanto pelos governos, pela imprensa, pelos comitês populares e sociedade em geral.

Eles reconheceram que há corrupção nas relações entre a Fifa e os governos, o que me deixou surpreso, mas meio que jogaram a “culpa” em cima dos países interessados em sedia os torneios. “A Fifa não obriga ninguém a sediar uma Copa do Mundo“. Eles disseram que se mostravam abertos a um convite do Sindicato dos Jornalistas para voltarem lá e falar um pouco sobre o ponto de vista da Fifa sobre o campeonato, ao que o Carlos Vainer começou a gritar e exigir que o Comitê Popular também fosse convidado para participar do pré-lançamento da Copa do Mundo em São Paulo. Um deles perguntou porque o Vainer estava sendo tão agressivo. Eles disseram que iam levar a demanda para os superiores deles. Depois de um tempo foram embora. Durante a fala dos caras, uma das meninas da plateia jogou uma bola de papel neles, o que foi rechaçado por todas as outras pessoas. No final, uma galera vaiou eles. Eu não peguei o nome dos caras e não acho que serão convidados para apresentar “o outro lado”.

Depois abriram as perguntas para a plateia. Como de costume em todos os eventos, nego mais discursou do que fez perguntas ao principal convidado. Uma representante do grupo LGBT reclamou dos preços das passagens de avião e dos hotéis na época da Copa do Mundo. Outro falou da Aldeia Maracanã, situada no antigo Museu do Índio que virou ponto de resistência de uma galera mais engajada nas manifestações. O cara, que pra mim tinha uma cara triste, falou de como os manifestantes e os índios botaram o nome do Sérgio Cabral “na boca do sapo” e desde então a popularidade do governador caiu a números inimagináveis até pouco tempo atrás. Ele ameaçou colocar o nome do Eduardo Paes e da Dilma também na boca do sapo. Nego bateu palmas em apoio.

Quando acabou a palestra eu fui lá tentar falar com o Andrew Jennings. Se não tivessem falado que ele era escocês, daria pra adivinhar a nacionalidade dele só pelo tamanho das suíças do cara. Esperei uma senhora com uns alunos da Escola Municipal Friedenreich falar com ele. Ela agradeceu a palestra e falou do caso da escola, que não foi removida por conta das manifestações. A escola ia virar lugar de aquecimento para os atletas da Copa. Uma galera foi falar com ele depois disso.

Aproveitei uma brecha e perguntei como é que ele consegue as informações internas da Fifa. Ao que ele respondeu “que fez o que todo bom jornalista faz: construiu uma rede de contatos“. Mas fiquei insatisfeito e queria que ele explicasse mais. Ele então falou que durante um evento esportivo, começou a  fazer perguntas incômodas sobre a Fifa. Foi aí então que um dos funcionários procurou ele e começou a divulgar as informações. “Eu chamei a briga para mim“, disse. “Então você levantou uma bandeira para percebessem você?“, perguntei. “É mais ou menos isso“, concluiu. Eu queria perguntar mais coisas, mas já estava tarde e iam levar ele para comer alguma coisa. Aí agradeci e fui embora pra casa.

**
O debate serviu, dentre outras coisas, pra ajudar a responder uma pergunte que eu tinha me feito há um tempo atrás. Qual é a contribuição da Fifa para o Futebol?. Eles investem em futebol de base, por exemplo (dentre outras coisas que não sei).

Mais informações:
* Transparency in Sport;
* Twitter do Andrew Jennings;

mostra de filmes Zanzibar, os Dândis de 68

October 27, 2013 // by chico

Hoje fui na mostra de cinema Os Filmes Zanzibar: Dândis de 68, que está rolando na Caixa Cultura, no Rio de Janeiro, até 3 de novembro. Tô trabalhando na mostra lançando legendas (pros filmes que precisam de legendas). O bacana é que existe pouco material sobre esse movimento (parece que offline só tem um pequeno livro impresso), até mesmo na França, país onde ele se originou, e a mostra vem justamente iluminar um pouco esse período. É a 1a vez que exibem alguns dos filmes, como Deux Fois, que fala bem… aparentemente fala sobre os sentimentos de uma das integrantes do grupo (a Jackie Raynal) sobre o namorado dela na época.

Achei os filmes bem surreais, mas é para eles serem assim. Como me disse um dos organizadores da Mostra, Leonardo Esteves, o mote dos filmes é ser “destruição”. Ou destruição do cinema como entendiam até então. No debate de hoje, a Jackie Raynal falou sobre como o movimento veio a ser, as influencias e os “resultados”. Falou várias outras coisas também, mas que não pesquei.

De uma “operária do cinema”, como ela mesmo se descreveu, Jackie se tornou uma senhora enxuta e lúcida e grande conhecedora do cinema. Ela ajudava na edição dos filmes de cineastas como Godard quando foi convidada a participar do grupo Zanzibar. Pelo que eu entendi, o movimento começou com uma proposta de um bancário francês, que queria financiar jovens cineastas. Quando ele viu o resultado do 1o filme (muito experimental), ficou um decepcionado. Mas a irmã dele, Sylvina Boissonnas (que aparece em pelo menos um dos filmes) decide continuar a financiar esse grupo de artistas, como Philippe Garrel, e passou a atuar como uma mecenas.

Sylvina Boissonnas

Sylvina Boissonnas

De 1968 a 1970, produziram cerca de 15 filmes. Em um ano, filmaram 3 longa-metragens, o que é quase insano para os padrões de hoje. Uma das influencias dos caras era a The Factory, do Andy Warhol. Outra influência era a mescalina e outras drogas, segundo a própria Jackie. “Naquela época as drogas eram de graça. Nos davam as drogas. Quase todas vinham da Inglaterra. E não era como hoje, que há envolvimento com traficantes armados“. Ela lembra como uma época maravilhosa, pois ainda não existia a AIDS.

Eles filmaram alguns dos acontecimentos do movimento estudantil de maio de 1968 e colocaram em seus filmes. Exibiram alguns desses filmes para trabalhadores nas próprias fábricas onde trabalhavam. Exibiam as películas também em escolas e museus.

Parece que só conseguiram esse acesso e distribuição graças aos esforços da Sylvina. Também havia a facilidade de terem filmado em formato Super-8, o que, aparentemente, facilita e agiliza na hora de editar. Como hoje em dia, o imediatismo também era importante para alguns cineastas, como disse Jackie no debate ao responder uma pergunta sobre redes sociais(acho que era uma referência ao Mídia Ninja e similares). Eles também conseguiam acesso maior aos protestos, pois um dos integrantes tinha um carrão (acho que um Jaguar, não sei). Por causa do carro, “os policiais os confundiam com ricos” e deixavam eles passar pelo bloqueio que faziam aos manifestantes de 68. (Que coisa isso)

Cena do filme Détruisez-Vous, ou Destrua-se.

Cena do filme Détruisez-Vous, ou Destrua-se.

Com a ajuda financeira de Sylvina, passaram a filmar em 35mm. Isso garantiu uma qualidade maior para as filmagens, mas que dificultou a distribuição, já que existiam lugares na França com capacidade de exibir um filme rodados em 35mm. No meio disso tudo, fizeram vários filmes. Jackie se lembra quando foi exibir o Deux Fois pela 1a vez, para operários e pessoas de classe-média, classe média baixa. As pessoas riram, gargalhavam. Ela se perguntou se o que eles estavam fazendo estava tão distante assim da realidade deles – em uma das cenas, Jackie urina na própria meia-calça. Os festivais, por outro lado, os receberam muito bem. Mas muitos diretores pararam de trabalhar com Jackie, porque aparentemente “ela tinha enlouquecido“.

Pelo que eu entendi, o fim do movimento ocorreu quando vários integrantes começaram a seguir o próprio caminho. Uns viajaram para a Índia (era moda na época, por causa dos Beatles) e outros do grupo foram para Zanzibar, na África, acompanhados por um Mangusto (uma espécie de furão) que ia comendo os insetos no caminho.

No final, cada um foi prum canto. Uns caíram em Artes Plásticas, outros continuaram fazendo filmes e um (o Patrick Deval) virou muçulmano durante a viagem a Zanzibar e largou as artes. Jackie ficou bem abalada com o grupo Zanzibar, “como acontece nesses movimentos independentes, quando se mistura demais o trabalho e a vida pessoal“. Ela vendeu o único bem que tinha, um apartamento, e foi com Sylvina em direção à costa oeste dos EUA para viver como os hippies. Parece que ficou lá até pouco tempo atrás. Agora vive na França. Nunca tinha vido ao Brasil, mas conhecia os filmes de Glauber Rocha e outros, através de Godard.

Durante o debate, ela respondeu algumas perguntas dos organizadores e da plateia. Um espectador assinalou que gostou muito como ela usou o som no Deux Fois (muito silêncio, pouco diálogo e sonoplastia pertubadora). Ela agradeceu os elogios e disse na época que atuava editando e montando os filmes, percebeu que “o som é a metade da imagem de um filme“. Ela falou da influência e dos resultados do movimento Zanzibar. Disse que o movimento gerou frutos mais nas Artes Plásticas, mas não deu detalhes disso. Disse que em 1968 os festivais de cinema ousavam mais, abriam mais as portas para filmes inovadores e experimentais e “hoje exibem Tarantino“. Engraçado que nego que gosta de Tarantino não se acha careta, pelo contrário.

Jackie respondeu também uma pergunta minha. Perguntei sobre a diferença da dinâmica entre o mecenato de Sylvina e o crowdfunding. Ela disse que uma coisa não tem nada a ver com a outra. Sylvina era mais que uma mecenas, atuava também dando todo o apoio necessário, ajudando na distribuição e exibição dos filmes. Ela critica também o fato do crowdfunding exigir uma contrapartida dos contribuintes. “Se fulano quisesse fazer um filme para três ou quatro pessoas, ele ia lá e fazia. Não tinha que responder a ninguém“. Ela conta que um dos participantes do movimento Zanzibar se alegrava quando as pessoas abandonavam a sala de cinema, que ficava vazia.

Para Jackie, o crowdfunding é algo fechado em si mesmo. Não ajuda a criar um sistema de distribuição, nem nada. Não ajuda ir além. É uma observação pertinente pra algo que nego considera que é a salvação da lavoura. Não concordo muito com o que ela diz, mas entendi que se não houver algo além do financiamento, se não houver uma participação real das pessoas com a arte e com o que elas consideram interessante, não vai haver vaquinha que dê conta. Eu tinha várias perguntas a fazer para ela (se ela assiste filmes no Youtube, por exemplo), mas o tempo era curto e não deu para falar tudo. Valeu pela conversa.

* em tempo, me acharam parecido com o Jean Paul Belmondo. Acho que não sou tão narigudo ou charmoso assim.

Aquele caso da velhinha queimada por café no McDonald’s…

October 22, 2013 // by chico

Lembra de um caso de uma senhora que foi queimada por café no McDonald’s e que recebeu uma indenização milionária? Ela virou referência do absurdo que é o sistema jurídico norte-americano. Virou até piada no Seinfeld:

e aqui:

Mas a história verdadeira (e os ferimentos que a senhora sofreu) era mais profunda do que divulgaram em alguns meios de comunicação. O NY Times desencavou essa história e trouxe à tona que o caso envolveu mais que a indenização milionária. Se quiser saber mais: http://nyti.ms/15WTRbJ

#ficadica

October 14, 2013 // by chico

all-star-superman-lessons-beatitudes

Alguns mandamentos do Allstar Superman:
– Nada é impossível;
– O quão pior você age, pior você fica;
– Os fortes devem proteger os fracos;
– Valentões não gostam de ser confrontados;
– Um homem não é medido pelo que ele fala, mas pelo que ele faz;
– Nunca é tão ruim quanto parece;
– Você é mais forte do que você acha que é;
– A pena é mais forte que a espada, todas as vezes;
– É apenas nós, aqui juntos, e isso é tudo o que nós temos;
– Sempre há uma maneira;

Peguei aqui.

Mais informações sobre Jorge Ben(jor) e a Turma da Tijuca

October 5, 2013 // by chico

Informações sobre Jorge Benjor, Roberto Carlos, Erasmo e Tim Maia retiradas do Dicionário Cravo Albin e da Wikipedia:

Jorge Benjor
Jorge Duílio Lima Menezes iniciou sua carreira artística em 1961, como pandeirista, ao lado do Copa Trio, grupo liderado pelo organista Zé Maria, que se apresentava na casa noturna Little Club, no Beco das Garrafas (RJ). Em seguida, apresentou-se no Bottle’s, também no Beco das Garrafas, cantando e tocando músicas de sua autoria. Atuou, também nessa época, como cantor de rock, na boate Plaza (RJ).

Em 1963, voltou a apresentar-se no Bottle’s, acompanhado pelo Copa Cinco, integrado por Meireles (sax), Pedro Paulo (trompete), Toninho (piano), Dom Um (bateria) e Manoel Gusmão (baixo). Ainda em nesse ano, realizou sua primeira participação em estúdio, atuando como “crooner” nas faixas “Mas que nada” e “Por causa de você, menina”, ambas de sua autoria, incluídas no LP “Tudo azul”, de Zé Maria. Em seguida, foi contratado pela gravadora Philips, e gravou um 78 rpm com essas duas músicas, acompanhado pelo Copa Cinco. O disco obteve muito êxito. Nesse mesmo ano, gravou seu primeiro LP, “Samba esquema novo”, contendo essas duas canções, além de “Chove chuva”, que veio consolidar seu sucesso como cantor e compositor. O disco atingiu um total de 100 mil cópias vendidas, marca incomum para a época.
* tirado do Dicionário Cravo Albin;

Carioca de Madureira, mas criado no Rio Comprido, Jorge Ben queria ser jogador de futebol e chegou a integrar o time infanto-juvenil do Flamengo. Mas acabou seguindo o caminho da música, presente em sua vida desde criança. Ganhou seu primeiro pandeiro aos treze anos de idade e, dois anos depois, já cantava no coro de igreja. Também participava como tocador de pandeiro em blocos de carnaval. Aos dezoito, ganhou um violão de sua mãe e começou a se apresentar em festas e boates, tocando bossa nova e rock and roll. É conhecido como Babulina, por conta da pronúncia do rockabilly “Bop-A-Lena” de Ronnie Self (apelido que Tim Maia tinha pelo mesmo motivo). Seu ritmo híbrido lhe trouxe alguns problemas no início, quando a música brasileira estava dividida entre a Jovem Guarda e o samba tradicional, de letras engajadas. Ao passar a ter interesse pela música, o artista vivenciou uma época na qual a bossa nova predominava no mundo. A exemplo da maioria dos músicos de então, ele foi inicialmente influenciado por João Gilberto, mas desde o início foi bastante inovador.
* tirado da Wikipedia;

Erasmo Carlos
Erasmo Esteves foi criado no bairro carioca da Tijuca, estudou nos tradicionais colégios Batista e Lafayette. Começou a se interessar por música em 1957, quando o rock começou a penetrar no Brasil. Na Rua do Matoso, conheceu Roberto Carlos, Jorge Ben e Tim Maia, que lhe ensinou os primeiros acordes de violão. Fundou com eles o grupo amador The Sputiniks.
* tirado do Cravo Albin;

Erasmo conhecia Sebastião Rodrigues Maia (que mais tarde seria conhecido como Tim Maia) desde a infância, entretanto a amizade só viria na adolescência por conta da febre do Rock and Roll. Em 1957, Tim Maia montou a banda The Sputniks, os membros da banda eram Tim, Arlênio Lívio, Wellington Oliveira e Roberto Carlos. Após uma briga entre Tim e Roberto, o grupo foi desfeito, Wellington desistiu da carreira musical, o único remanescente era Arlênio que no ano seguinte resolveu chamar Erasmo e outros amigos da Tijuca, Edson Trindade e José Roberto, conhecido como “China” para formarem o grupo vocal “The Boys of Rock”. Por sugestão de Carlos Imperial o grupo passou a se chamar The Snakes, o grupo acompanhava tanto Roberto quanto Tim Maia em seus respectivos shows.

Erasmo foi apresentado a Roberto por Arlênio Lívio, Roberto precisava da letra da canção Hound Dog, sucesso na voz de Elvis Presley, então Arlênio disse que Erasmo seria a pessoa que possuiria tal letra, pois este era um grande fã de Elvis, Roberto descobriu outras afinidades com Erasmo, além de Elvis, ambos gostavam de Bob Nelson, James Dean, Marlon Brando, Marilyn Monroe, torciam para o Vasco da Gama. Quando fazia parte do The Snakes, Tim Maia ensinou Erasmo a tocar violão.

O The Snakes chegou a acompanhar, o cantor Cauby Peixoto em sua inusitada passagem pelo rock, na gravação de “Rock and Roll em Copacabana” de 1957 e no filme “Minha Sogra é da Polícia” (1958), onde o cantor interpreta a canção “That’s Rock” composta por Imperial.

Nos tempos da juventude também conheceu, Jorge Ben Jor, na época conhecido como Babulina e Wilson Simonal, que também foi agenciado por Carlos Imperial. Erasmo resolveu adotar o nome Carlos no nome artístico em homenagem ao Roberto Carlos e a Carlos Imperial e com esse nome lançou o compacto que seria de grande sucesso com a música O Terror dos Namorados com a novidade do Orgão Hammond de Lafayette que também era seu amigo e da Turma do Bar Divino na Tijuca.
* do verbete da Wikipedia;

Tim Maia
Iniciou sua carreira artística aos 14 anos de idade, integrando, como baterista, o grupo Os Tijucanos do Ritmo, com o qual atuou durante um ano. Em seguida, começou a estudar violão e formou, em 1957, com Roberto e Erasmo Carlos, o grupo Os Sputniks. Em 1959, viajou para os Estados Unidos, onde permaneceu durante quatro anos. Estudou inglês e integrou, como vocalista, o conjunto The Ideals. Em 1968, gravou seu primeiro disco, um compacto simples contendo suas composições “Meu país” e “Sentimento”.
* do Cravo Albin;

Sebastião Rodrigues Maia foi um cantor, compositor, produtor, maestro, multi-instrumentista e empresário brasileiro, responsável pela introdução do estilo soul na música popular brasileira e reconhecido mundialmente como um dos maiores ícones da música no Brasil. Suas músicas eram marcadas pela rouquidão de sua voz, sempre grave e carregada, conquistando grande vendagem e consagrando muitos sucessos. Nasceu e cresceu na cidade do Rio de Janeiro, onde, em sua infância, já teve contato com pessoas que viriam a ser grandes cantores, como Jorge Ben Jor e Erasmo Carlos. Em 1957, fundou o grupo The Sputniks, onde cantou junto a Roberto Carlos. Em 1959, emigrou para os Estados Unidos, onde teve seus primeiros contatos com o soul, vindo a ser preso e deportado por roubo e porte de drogas. Em 1970, gravou seu primeiro disco, intitulado Tim Maia, que, rapidamente, tornou-se um sucesso país afora com músicas como “Azul da Cor do Mar” e “Primavera”.
* Wikipedia;

Roberto Carlos
Em 1957 começou a carreira apresentando-se em bailes e programas de TV com o conjunto The Sputniks. Em 1958, formou com Erasmo Carlos, Edson Trindade e Arlênio Gomes o conjunto The Snakes. A carreira solo foi iniciada no mesmo ano como “crooner” da boate do Hotel Plaza, em Copacabana, cantando samba-canção e bossa nova. No ano seguinte, por intermédio de Carlos Imperial, começou a se apresentar no programa do Chacrinha. Com uma carta de apresentação de ambos, gravou pela Polydor seu primeiro disco, “João e Maria/Fora do tom”, um 78 rpm de estilo bossa nova e composições de Carlos Imperial que não teve repercussão alguma. Ainda assessorado por Carlos Imperial, gravou seu segundo disco em 1960, com as músicas “Brotinho sem juízo” e “Canção do amor nenhum”, ambas de Imperial. No ano seguinte gravou seu primeiro LP, também não obtendo êxito. Em 1963, fez sucesso com o 78 rpm “Splish splash/Parei na contramão”, esta última inaugurando a parceria com Erasmo, uma das mais profícuas e rentáveis da música brasileira.

Nesse mesmo ano viajou com freqüência para São Paulo para se apresentar no programa da TV Record “Astros do Disco”. No ano seguinte, começaram a se intensificar as apresentações em programas de rádio e televisão, tornando seu nome conhecido nacionalmente. Ainda em 1964 lançou o LP “É proibido fumar”, com os sucessos “O calhambeque”, versão de Erasmo Carlos para “Road hog” e a faixa título. O ano de 1965 foi o da consagração nacional definitiva. A TV Record decidiu lançar um programa dominical direcionado à juventude cujo comando foi entregue a ele. O programa “Jovem Guarda” foi ao ar durante quatro anos, tornando-se uma das maiores audiências da televisão brasileira de todos os tempos. Ao lado do “Tremendão” Erasmo Carlos e da “Ternurinha” Wanderléia, recebia convidados que ali se apresentavam.
* Cravo Albin;

Roberto Carlos Braga (Cachoeiro de Itapemirim, 19 de abril de 1941) é um cantor e compositor brasileiro. Um dos primeiros ídolos jovens da cultura brasileira, ele foi um dos pioneiros no Brasil do movimento rock’n’roll surgido nos Estados Unidos ao longo da década de 1950.

Embora tivesse iniciado a carreira sob influência da Bossa Nova, no início da década de 1960, Roberto mudou seu repertório para o rock. Com composições próprias, geralmente feitas em parceria com o amigo Erasmo Carlos, e versões de sucessos do então recente gênero musical, fundando as bases para o primeiro movimento de rock feito no Brasil. Com a fama, estrelou ao lado de Erasmo Carlos e Wanderléa um programa na TV Record chamado Jovem Guarda, que daria nome ao primeiro movimento musical do rock brasileiro. Além da carreira musical, estrelou filmes inspirados na fórmula lançada pelos Beatles – como “Roberto Carlos em Ritmo de Aventura”, “Roberto Carlos e o Diamante Cor-de-rosa” e “Roberto Carlos a 300 Quilômetros por Hora”.
* Wikipedia;